O que nos conecta a um futuro sustentável?

É esta pergunta que nos motiva a buscar alternativas, na forma de planos e ações concretas que irão transformar o Brasil e o Mundo, por meio de soluções mais inclusivas e inovadoras.

Conexão 2030:
Estratégias para o Desenvolvimento Sustentável

A emergência da transição para uma sociedade mais sustentável, resiliente e justa se acentua na medida em que nos aproximamos do ano de 2030. Pelas lentes da questão climática, da preservação da biodiversidade e do patrimônio ambiental, a urgência aumenta em paralelo às demandas sociais crescentes, evidenciando a importância das Conexões entre os diferentes atores do desenvolvimento global e exigindo a criação de estratégias e soluções conjuntas. Nesta perspectiva, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS), que é o conjunto de metas consensuais entre os países das Nações Unidas a serem alcançadas até 2030, contribuem para organizar prioridades fundamentais e têm o desafio de aprofundar as Conexões para que os próximos dias, anos e décadas sejam inclusivos, igualitários e sustentáveis.

A crise da Covid-19 colocou ainda mais holofotes sobre a importância das Conexões. Do impacto à solução, a perspectiva coletiva e sistêmica ganha destaque, pois para a crise sanitária ser totalmente superada é necessário mobilização e coordenação entre atores estratégicos, além da criação de soluções com olhar sobre os desequilíbrios econômico-sociais entre os territórios. É importante discutir e disseminar soluções como a bioeconomia, o desenvolvimento de cidades sustentáveis e inteligentes, a perspectiva sustentável em projetos de infraestrutura e logística, e o debate sobre a diversidade, inclusão e empreendedorismo.

A transição para esse modelo de desenvolvimento mais sustentável, inclusivo e inovador requer políticas públicas capazes de orientar a execução do planejamento econômico e social e contribuir para maior Conexão entre atores, ações e projetos. Neste contexto, as políticas de financiamento se inserem como a ponte entre os objetivos e os resultados, viabilizando as agendas e mobilizando recursos para as ações coordenadas na economia e sociedade. As Instituições Financeiras de Desenvolvimento (IFDs), que possuem sólido histórico de proatividade na realização de projetos estratégicos ao desenvolvimento, são peças-chave para a viabilidade das ações em torno dos objetivos da Agenda 2030, como deixa evidente o Plano ABDE 2030 de Desenvolvimento Sustentável, que será lançado durante o Fórum do Desenvolvimento.

Organizado anualmente pela Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE), o Fórum do Desenvolvimento busca reunir membros do SNF, governos federal e subnacionais, organismos internacionais, órgãos representantes da sociedade civil e especialistas, com o objetivo de encontrar caminhos para as agendas do desenvolvimento sustentável brasileiro. A ABDE entende que as agendas de futuro serão bem-sucedidas apenas na medida em que puderem ser construídas a partir do diálogo e convida todos os interessados a oferecerem sua contribuição para o debate.

Plano 2030

A Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE), que reúne membros do Sistema Nacional de Fomento (SNF) composto por bancos de desenvolvimento e agências de fomento de todo o país, além da Finep e do Sebrae, está desenvolvendo um plano para intensificar a contribuição dessas instituições no cumprimento das metas dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), traçada pela Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas. O Plano ABDE 2030 de Desenvolvimento Sustentável tem como objetivo trazer propostas concretas de políticas públicas, com ênfase na temática do financiamento, que contribuam para um desenvolvimento mais sustentável, inclusivo e inovativo para o Brasil. Considerando a trajetória percorrida pela ABDE nos últimos anos, o Plano ABDE 2030 estará alinhado aos ODS, em consonância com o Acordo de Paris e com a Agenda de Ação de Addis Abeba.

Segundo o “Relatório Luz da Sociedade Civil sobre a Agenda 2030”, realizado por organizações não governamentais, entidades e fóruns da sociedade civil brasileira e divulgado em julho, o país está atrasado no cumprimento das 17 metas dos ODS, ainda que a Agenda tenha ganhado projeção no mundo.Na ABDE o tema ganhou impulso após a definição do Planejamento Estratégico (2020 – 2023).

Desde então, a Associação tem trabalhado na implementação de projetos que visem à aproximação das instituições do Sistema Nacional de Fomento (SNF) à agenda dos ODS, de modo a estimular a incorporação de critérios, instrumentos e políticas de finanças sustentáveis por seus membros, bem como promover o aprimoramento da arquitetura institucional nacional e subnacional para o desenvolvimento sustentável brasileiro.

O Plano será encaminhado aos candidatos à presidência, órgãos do Governo Federal e presidentes da Câmara e do Senado em fevereiro de 2022. Haverá ainda um esforço de disseminação do Plano ABDE 2030 para todo o corpo das Associadas da ABDE, sociedade civil, academia e especialistas. Para a produção do documento serão realizados ciclo de workshops sobre os ODS, entrevistas com especialistas internos e externos ao SNF e ações com entidades internacionais parceiras, como o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), além de audiências públicas na Câmara e no Senado e levantamento de dados. As discussões culminarão na elaboração de políticas públicas e projetos de lei a fim de facilitar o cumprimento dos ODS e impulsionar o desenvolvimento sustentável do país.

Programação

Lançamento do Plano ABDE 2030 de Desenvolvimento Sustentável

9h20 - Abertura

Gustavo Montezano Presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES) e da Assembleia da ABDE

Jeanette Lontra Presidente do BADESUL e da ABDE

Rebeca Grynspan Secretária Geral da UNCTAD

Ricardo Mourinho Félix Vice-Presidente do Banco Europeu de Investimento (BEI)

Marie-Hélène Loison Diretora Geral Adjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD)

Jorge Arbache Vice-presidente do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF)

Heiko Thoms Embaixador da Alemanha no Brasil, Embaixada da Alemanha

Susana Cordeiro Guerra Gerente de Instituições para o Desenvolvimento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID)

Silvia Rucks Coordenadora Residente das Nações Unidas no Brasil (ONU Brasil)

Eugênia Regina Melo Diretora de Governo do Banco de Brasília (BRB)

10h20 - Intervalo
10h40 - Mesa redonda: Apresentação do Plano ABDE 2030 de Desenvolvimento Sustentável

Jeanette Lontra Presidente do Badesul e Presidente da ABDE

Valdecir Tose Presidente do Banco da Amazônia e Vice-Presidente da ABDE

Sergio Suchodolski Presidente da Desenvolve SP

Comentários: Karin Vazquez Professora O.P. Jindal Global University

11h30 - Painel 1: Reflexões sobre o Plano ABDE 2030 com economistas

Zeina Latif

Nelson Marconi

Germano Rigotto

Guilherme Mello

Moderação: José Luis Gordon Secretário Executivo ABDE

Rodada de perguntas com participação de diretores da ABDE:

Paulo Costa Presidente da Desenbahia

Jair Marques Presidente da Desenvolve MT e Diretor da ABDE

12h40 - Encerramento do período da manhã do evento
14h00 - Painel 2: O papel das Instituições Financeiras de Desenvolvimento para o financiamento ao desenvolvimento sustentável

Luiz Awazu Pereira da Silva Vice-Diretor Geral do Bank for International Settlements (BIS)

Alexandre Staff Varela Chefe do Escritório Regional para América Latina do BEI

Paloma Casero Diretora do Banco Mundial para o Brasil

Adama Mariko Diretor Executivo Adjunto de estratégia da AFD e Secretário Geral do Finance in Common

Moderação: Sergio Suchodolski Presidente da Desenvolve SP

15h00 - Painel 3: Cooperação internacional para o desenvolvimento sustentável

Lamine Sow Diretor Ajunto da AFD no Brasil

Marcos Thadeu Profissional Sênior Escritório Regional Américas do New Development Bank

Jorge Moreira da Silva Diretor da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Moderação: Cristiano Prado Coordenador da Unidade de Desenvolvimento Socioeconômico Inclusivo do PNUD Brasil

Cases: Sicredi e BANDES

16h20 - Painel 4: Blended finance e instrumentos garantidores na Agenda 2030

Rafael Cavazzoni Especialista líder em mercados financeiros do BID

Martin Schröder Diretor do KfW no Brasil

Luana Ozemela CEO DIMA Consult

Moderação: Paulo Bouças Diretor do Banco do Brasil

Case: Desenvolve MT

17h20 - Painel 5: Fomento ao mercado de carbono para uma transição sustentável

Jorge Arbache Vice-Presidente da CAF

Maria Netto Chefe Mercados e Instituições Financeiras do NDB

Chandra Shekhar Sinha Coordenador mercado de carbono no departamento de desenvolvimento sustentável do Banco Mundial

Moderação: Bruno Laskowsky Diretor do BNDES

18h20 - Anúncio dos vencedores da 1ª Edição do Prêmio SAIN-ABDE

Erivaldo Gomes Secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Economia

Heraldo Neves Presidente da Fomento Paraná

18h40 - Encerramento do 1º dia da 7ª Edição do Fórum do Desenvolvimento

Mobilizando atores e instrumentos para impulsionar a agenda do desenvolvimento sustentável

9h20 - Mensagem de abertura

Richard Martínez Alvarado Vice-presidente de países do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID)

9h30 - Lançamento Prêmio ABDE-BID 2022 e do livro Prêmio ABDE-BID 2021

Jeanette Lontra Presidente do Badesul e da ABDE

Morgan Doyle Representante do BID no Brasil

Thiago Borba Coordenador do Ramo Crédito do Sistema OCB

Carlos Mussi Diretor do escritório do Brasil da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe – CEPAL

10h00 - Painel 6: Soluções baseadas na natureza e o fomento a green and blue economy

Dennis Fritsch Coordenador sênior para a economia azul da Iniciativa Financeira do Programa da ONU para o Meio Ambiente (UNEP FI)

Claus Reiner Diretor do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola da ONU (FIDA) para o Brasil

Izabella Teixeira Co-Chair do Painel Internacional de Recursos Naturais do UNEP

Valdecir Tose Presidente do Banco da Amazônia

Moderação: Mercedes Bustamante Professora Universidade de Brasília

Cases: AFEAM, AFAP e Banpará

11h00 - Intervalo
11h20 - Painel 7: Mobilização para o desenvolvimento de cidades sustentáveis e inteligentes

Rodrigo Perpétuo Secretário Executivo do ICLEI América do Sul

Barbara Buchner Diretora Geral Global do Climate Policy Initiative (CPI)

Elkin Velasquez Representante Regional para América Latina e o Caribe da ONU Habitat

Gilberto Perre Secretário Executivo da Frente Nacional dos Prefeitos

Leany Lemos Diretora de Operações do BRDE

Henrique Evers Gerente de Desenvolvimento Urbano do World Resources Institute (WRI)

Moderação: Gustavo Ribeiro Diretor de projeto GIZ Brasil

Case: Fomento Paraná

12h30 - Encerramento
13h30 - Painel 8: A perspectiva sustentável em projetos de infraestrutura e logística

Carlos Leiria Pinto Gerente para Brasil do International Finance Corporation (IFC)

Pedro Bruno Barros Superintendente de Governo do BNDES

Karla Bertocco Sócia da Mauá Capital

Marcelo Bomfim Presidente do BDMG

Moderação: Isadora Cohen Presidente do Infra Women Brazil (IWB)

14h30 - Painel 9: Diversidade, inclusão social e empreendedorismo

Rafaela Bassetti CEO e fundadora da Wishe

Renata Malheiros Coordenadora nacional do programa de empreendedorismo feminino do Sebrae

Joselito Crispim Diretor de ESG da Akintec

Fernanda Ribeiro Co-fundadora Conta Black

Eduardo Machado Presidente do BADESC

Moderação: Thiago Thobias Advogado e Mestre em Políticas Públicas pela FGV

Cases: AGE PE, Piauí Fomento e Fomento Tocantins

15h40 - Intervalo
16h00 - Painel 10: A atuação das Instituições Financeiras de Desenvolvimento no financiamento as pequenas e médias empresas e o fomento ao microcrédito no Brasil

Márcia Maia Presidente AGN

André Godoy Diretor FINEP

Luciano Ribeiro Superintendente Centro Cooperativo Sicoob

Bruno Pena de Sousa Diretor BNB

Eugênia Melo Diretora de Governo do Banco de Brasília (BRB)

Caetano Minchillo Gerente de Capitalização e Serviços Financeiros

Moderação: Francisco Gaetani Professor da FGV

Cases: Desenvolve Alagoas e Banestes

17h20 - Painel 11: A potência do fomento subnacional

Stephany Griffith-Jones Professora da Columbia University

Rogério Studart Senior Fellow do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI)

Saloua Sehili Diretora de estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento (AfDB)

Emilie Maehara Diretora Executiva adjunta do Global Fund for Cities Development (FMDV)

Moderação: Henrique Pissaia Chefe de Gabinete do Fonplata

18h20 - Encerramento da 7ª Edição Fórum do Desenvolvimento

Jeanette Lontra Presidente do Badesul e da ABDE

Laetitia Dufay Diretora para Brasil e Cone Sul da AFD

Sebastian Sommer Diretor de projeto da GIZ

Representante CAF (TBC)

Representante ONU (TBC)

Representante BRB (TBC)

Convidados

Stephany Griffith-Jones
Stephany Griffith-Jones
Professora da Columbia University
Alexandre Staff Varela
Alexandre Staff Varela
Chefe do Escritório Regional para América Latina do BEI
Marie-Hélène Loison
Marie-Hélène Loison
Diretora Geral Adjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD)
Luana Ozemela
Luana Ozemela
CEO DIMA Consult
Jorge Arbache
Jorge Arbache
Vice-presidente do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF)
Izabella Teixeira
Izabella Teixeira
Co-Chair do Painel Internacional de Recursos Naturais do UNEP
Rebeca Grynspan
Rebeca Grynspan
Secretária Geral da UNCTAD
Valdecir Tose
Valdecir Tose
Presidente do Banco da Amazônia e Vice-Presidente da ABDE
Susana Cordeiro Guerra
Susana Cordeiro Guerra
Gerente de Instituições para o Desenvolvimento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID)
Mercedes Bustamante
Mercedes Bustamante
Professora Universidade de Brasília
Erivaldo Gomes
Erivaldo Gomes
Secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Economia
Laetitia Dufay
Laetitia Dufay
Diretora para Brasil e Cone Sul da AFD
Ricardo Mourinho Félix
Ricardo Mourinho Félix
Vice-Presidente do Banco Europeu de Investimento (BEI)
Rogério Studart
Rogério Studart
Senior Fellow do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI)
Paloma Casero
Paloma Casero
Diretora do Banco Mundial para o Brasil
Fernanda Ribeiro
Fernanda Ribeiro
Co-fundadora Conta Black
Thiago Thobias
Thiago Thobias
Advogado e Mestre em Políticas Públicas pela FGV
Jeanette Lontra
Jeanette Lontra
Presidente do BADESUL e da ABDE
Gustavo Ribeiro
Gustavo Ribeiro
Diretor de projeto GIZ Brasil

ABDE

Mapa do Brasil

A Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE) reúne as Instituições Financeiras de Desenvolvimento presentes em todo o país – bancos públicos federais, bancos de desenvolvimento controlados por unidades da federação, bancos cooperativos, bancos públicos comerciais estaduais com carteira de desenvolvimento, agências de fomento –, além da Finep e do Sebrae. Essas instituições compõem o Sistema Nacional de Fomento (SNF).

Criada em 1969, a ABDE define estratégias e executa ações indutoras do SNF, tendo como meta o constante aprimoramento da atuação de seus associados, para que financiem com eficiência o desenvolvimento sustentável brasileiro. Realiza cursos, produz estudos e representa as instituições em mesas de debate com organismos do governo, do setor produtivo e da sociedade; além de também dialogar com parceiros internacionais e organismos multilaterais.

Das 34 instituições financeiras de desenvolvimento que integram o Sistema Nacional de Fomento, 32 são associadas da ABDE.

SNF

O Sistema Nacional de Fomento (SNF) é uma rede federativa de fomento, que reúne instituições de alcance regional, sendo federais, regionais e subnacionais, presentes em todo o país e conhecedoras das especificidades de cada local. Além de financiamentos, contribui com expertise e serviços para o desenvolvimento sustentável das regiões.

O SNF tem sido, ao longo do tempo, um importante instrumento para superar os diferentes desafios que o desenvolvimento econômico brasileiro enfrentou, desempenhando papel fundamental para o país realizar as transformações exigidas em cada momento. 

Por meio da presença regional das Instituições Financeiras de Desenvolvimento e de sua vocação para o crédito, o SNF alcança todas as regiões do país e atua conforme suas peculiaridades, a partir das políticas públicas definidas como prioritárias em cada região, para financiar projetos que proporcionem o crescimento sustentável de cidades e de estados, ampliando o alcance do sistema financeiro nacional.

Em outros países, as estruturas dos Sistemas Nacionais de Fomento locais possui uma configuração semelhante à brasileira, com uma rede de Instituições Financeiras de Desenvolvimento regionais e uma instituição maior e central que atua em diversos setores. Na Alemanha, o KfW se conecta a outras 17 instituições financeiras públicas subnacionais distribuídas no território alemão. Mas há também bons exemplos em França, Coreia do Sul, Índia, China, Japão e México.